A Armadura Apropriada – Por Jon Schindehette

Caros aventureiros,
Deixo aqui mais um artigo traduzido da WotC escrito por Jon Schindehette.
Divirtam-se!

Tenho certeza que alguém lá fora que tem o seguinte ponto de vista, mas eu não li ainda. A questão da armadura adequada incide sobre esta questão: é a armadura adequada? A questão poderia ser respondida em um milhão de maneiras diferentes, mas um simples sim ou não será suficiente.

Então, vamos fazer a pergunta e, em seguida, dar algum contexto. Por favor, responda a questão apenas com um sim ou não como resposta.

A  armadura nesta imagem é adequada?


A imagem é historicamente precisa. (É de um museu francês, por sinal.)

Claro, as esporas são grandes e finas, e provavelmente você cai no chão quando tenta andar. Aposto que com esses 70 a 100 quilos de armadura seria difícil de se mover dentro Não pode haver uma boa visão periférica com uma abertura de visão tão pequena. Você pode se imaginar vagando pelo deserto, até mesmo a cavalo com essa armadura? Você assaria dentro disso. Nesse caso, você conseguiria montar num cavalo sem ajuda de pelo menos duas pessoas? Alguém pode me explicar pra que serve aquele sapato de palhaço? E esqueça a possibilidade de dar uma mijada com um trabuco desses.

Aqueles de vocês que raciocinaram um pouco estão dizendo: "Uau! Este é um conjunto especializado de armadura, criado para uma finalidade específica, para um determinado ambiente e para proteger contra uma ameaça específica. Só porque ele não funciona para toda e qualquer situação, não quer dizer que ele seja inadequado".

Exatamente.

Assim, com o conjunto acima em mente, vamos definir a armadura adequada. Para mim, a definição é bem simples. Armadura apropriada é a aquela que se encaixa na cultura, no ambiente, na tecnologia disponível, nos materiais de construção, e na ameaça. Por exemplo, cada um desses modelos de armadura cultural é apropriado porque eles se encaixam na minha definição.


Já que mencionei o ambiente logo acima, eu gostaria de discutir esse assunto por um momento. Já vi imagens de pessoas vagando seminuas, apenas com tangas. Antes de descontar o estilo da vestimenta, por favor, pergunte a si mesmo se isso se ajusta à cultura e ao meio ambiente. Você pode imaginar o nosso cavaleiro com armadura de cima vagando em um deserto em ebulição, ou numa selva quente e úmida? Claro, ele estaria bem blindado, e ele provavelmente iria morrer de insolação em pouco tempo. Mesmo exércitos modernos compreendem a importância do meio ambiente. Dê uma olhada em uma amostra de vários padrões de “camuflagem”. Note que cada padrão está tentando levar em conta o meio ambiente no qual eles serão usados.



Agora, em termos de cultura, enquanto eu estava olhando para a armadura, e considerando o tema da adequação, gastei um bom tempo e energia pesquisando armaduras femininas na história. Adivinha o que descobri? Não há muita coisa. Podemos encontrar referências as Amazonas, Valkirias, e alguns guerreiros do sexo feminino, como Joana d'Arc retratada na literatura e na arte, mas fora as criações artísticas, nós realmente não temos nenhuma evidência sólida sobre como realmente parecia. Muitos estudiosos já devem ter pensado na possibilidades delas só usarem as menores armaduras dos homens, dentro daquilo que fosse apropriado para a sua cultura. Então, se eu fosse descrever uma lutadora num cenário medieval, não seria muito diferente disso:


Pode-se dizer que essa imagem da série “Merlin” da BBC é historicamente correta. Então esta armadura seria culturalmente apropriada, certo? Bem, praticamente, exceto pela parte que não era culturalmente adequada para uma mulher a lutar nas forças militares nesse período de tempo. Isso significa que temos de reservar a realidade por um momento e começar a olhar para essa discussão a partir do ponto de vista do hipotético. . . ou a partir do ponto de vista do ambiente de fantasia.

Então, vamos decidir que já não estamos falando sobre a Terra, na Inglaterra medieval. Estamos falando de um jogo de fantasia. Claro, existem correlações entre as culturas da Terra e de cenários como o de Forgotten Realms. Há culturas que pegam algumas dicas com os europeus, chineses, árabes, maias, etíopes, e outras. Nós fazemos isso de propósito. Te damos algo que você pode entender conceitualmente e em seguida, construimos camadas de fantasia em cima disso. Em algum momento, se você empurrar a realidade longe demais, você não tem nada para se relacionar, e sua capacidade de suspender a sua descrença se desintegra (nota do blogueiro: usei o google tradutor pra isso, e achei tão bonito que resolvi deixar assim *_*).

Por exemplo, se eu te mostrar uma espada curva, que é estreita no punho e com travas mais longas, nós poderiamos chamá-la de cimitarra, e você pode relacioná-la para a sociedade árabe. Agora eu posso mudá-la e fazer parecer um pouco diferente, mas eu não posso mudar o fato de que você vai pensar que é uma cimitarra, a menos que eu mude-a o tanto a ponto de parecer, bem, outra coisa. Nesse ponto, você já não da para associá-la a uma cimitarra, e existe uma grande possibilidade de você deixar de associá-la com a sociedade árabe. Talvez agora você acha que se parece com um sabre e a associa com um cossaco.

Eu trago este exemplo acima, porque eu vou pedir-lhe para a sua imaginação ir um pouco mais longe agora. Digamos que eu crie uma cultura que é influenciada por várias culturas africanas. Não é uma porta direta, eu só estou pegando algumas referências desta cultura e, talvez de alguns momentos diferentes na história da África. Eu misturo tudo e crio uma cultura que não é nada real, mas que é influenciada por algo real. Você pode olhar para ela e dar-lhe o termo genérico de "Africano". Outra pessoa pode olhar para aquilo e vinculá-lo à cultura "etíope". Outro pode pegar uma base diferente e chamá-la de algo muito diferente. No final não importa tanto os “rótulos”que as pessoas colocam, se trata mais do fato de que nós sempre tentamos dar nome às coisas. Algo normal.

Então, nós temos essa cultura pronta, e agora começamos a imaginar como os moradores, comerciantes, nobres e militares pode parecer. Esses caras são criados, por isso não importa se não há metáforas da cultura do mundo real para desenhar a partir de um lutador, uma figura feminina. Agora,você tem que se preocupar apenas se o cidadão será macho ou fêmea, e que estão devidamente blindados pela sua cultura, ambiente, tecnologia e materiais.



Agora temos dois guerreiros de uma cultura particular. Cada um está usando tipos de armaduras equivalentes e de materiais similares, ganhando proteção igual para os mesmos tipos de ameaças, e parecendo que pertencem ao mesmo campo de batalha. Podemos concordar com isso? Espero que você tenha dito que sim. Se não, temos problemas maiores.

Para maior clareza, deixo aqui a minha posição pessoal sobre a armadura apropriada.

A armadura deve ser adequada à cultura, ambiente, materiais disponíveis e tecnologia, em primeiro lugar. Se a armadura não passar no teste, então não importa se ela está sendo usada por um homem ou uma mulher.

Em outras palavras, um cavaleiro masculino em uma armadura completa, atravessando as areias do deserto, é quase tão tolo quanto um lutador do sexo feminino, em um biquíni de cota de malha, nadando através das águas geladas da Islândia(Nota do blogueiro: eu conheço um mestre que faria algo assim!).



2 comentários: (+add yours?)

Maybe another Mr. Nobody disse...

Não existiram armaduras femininas por razões óbvias, na Idade Média a guerra era uma atividade masculina. Para as damas de família já seria considerado vulgar o fato de serem vistas fora de casa desacompanhadas.

Em cenários de fantasia, incluímos as mulheres para refletir a sociedade moderna. Ainda assim, gostaria de ressaltar que uma mulher brandindo um machado e usando bikini é muuuuuito maneiro! uahuahauhau

Barrigoni disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Bikini Girl and Machine Guns!

Rapaz,
Mesmo na cultura Européia existiram povos que admitiam mulheres como guerreiras. Na cultura Celta por exemplo, quando eles lutavam contra os Romanos com táticas de guerrilha, as mulheres lutavam lado a lado com os homens.

Postar um comentário